MOTIVAÇÕES Neurociência comportamento

» por  em 17/07/2012 em comportamento | 1 comentário

MOTIVAÇÕES II

Onde buscar a motivação para a transformação?
No texto anterior sobre o assunto, finalizei com o intuito de continuar as explicações sobre onde buscar as motivações para o transformar de cada um de nós. A tendência natural é procurar onde haja luz, onde haja uma maior iluminação, onde há um maior esclarecimento, onde há um maior saber sobre o que almejamos. Todos esses aspectos de lucidez, de conhecimento, de saber está no nível consciente. Então, o impulso natural é buscarmos as motivações no nível consciente das nossas percepções. Pois bem, o local onde se encontram essas motivações é justamente no inconsciente, na escuridão, na caverna escura de nossas almas, na floresta densa onde não há caminhos ainda desbravados, nas sombras construídas ao longo do caminho. É no inconsciente que se encontra tudo o que fora reprimido do nível consciente e também as verdadeiras e reais motivações para a transformação pessoal.

Consciente (5%) e Inconsciente (95%)

20120717-221015.jpg

Todos temos conflitos, seja no trabalho, seja na família, seja nos relacionamentos amorosos, seja na educação dos filhos, seja na tarefa da abundância, seja na intimidade dos pensamentos, seja na interioridade dos sentimentos. Esses conflitos refletem o desejo da nossa consciência em seguir adiante. O desejo de ir além do EGO e criar o novo. Esses conflitos íntimos, necessários para a evolução da consciência, é um recurso natural. A resolução desse conflito seria o impulso necessário para avançar adiante. A consciência que emerge da resolução dos conflitos renasce renovada, agora com uma nova compreensão dos aspectos que estavam envolvidos quando no clímax dos conflitos. Durante a tempestade é difícil visualizar a calma e a bonança. Esse processo de resolução de conflitos ilumina a alma. A motivação para essa iluminação da alma está no inconsciente de cada um. Lá se encontram os impulsos da nossa agenda de aprendizado. O que vim fazer aqui? Lá se encontram os aspectos renegados do nível consciente para que possamos reviver os traumas sob um novo prisma. Utilizando-se da capacidade de criatividade interna de cada um como uma ferramenta para a necessária transformação pessoal. Essa viagem ao inconsciente deve ser feita rotineiramente, com uma verdadeira prática diária. Temos que honrar o nosso desejo de mudanças.

20120717-221450.jpg

Como chegar lá no inconsciente? Para aqueles que não dispõe de tempo e/ou dinheiro para investir em uma terapia, ou ainda para nós simples mortais, temos a disposição um trabalho de sinceridade e honestidade em uma pratica diária de autoconhecimento. Como se fossemos a uma academia para praticar exercícios físicos e obter uma melhora do condicionamento e da saúde do corpo físico. A academia em questão é a constelação de emoções negativas que vivenciamos durante o dia e que são reprimidas ao inconsciente.

Como uma prática de vida, anote tudo aquilo que alterou o seu humor, tudo aquilo que te irritou, tudo aquilo que de alguma forma modificou o seu equilíbrio emocional seja em forma de raiva, ódio, indignação, perplexidade, ou seja, tudo aquilo vivenciado em seus relacionamentos e que não foi percebido apenas como uma informação. Tudo o que você conseguiu identificar no outro como revoltante, como uma conduta que alterou o seu humor, como algo que mexeu com a intimidade do seu ser. Tudo isso, acreditem, são fragmentos que compõe a integralidade da consciência e ela clama por essa reintegração. Eu sei que isso dói “na alma” quando chegamos a essa conclusão, mas esse é um dos caminhos: o caminho da “auto-sinceridade” e “auto-honestidade” consigo mesmo.

No aconchego do seu lar, quando a calma se instalar, quando você se permitir ao privilégio de 10 minutos de meditação, faça o caminho inverso da projeção. Assuma os aspectos reprimidos da sua consciência como realmente sendo seus e não dos outros. Estabeleça um diálogo com sua sombra. Inicialmente em terceira pessoa. Fase da identificação. Próxima etapa, passe para o diálogo em segunda pessoa e, finalmente, assuma a sombra como sendo sua e estabeleça um dialogo em primeira pessoa. Mentalmente enfrente-a, fale com ela e finalmente seja ela. A raiva é minha e tudo bem! Aceito esse sentimento e passo a integrá-la dentro de mim. Perceba o caráter transitório da emoção e permite que a energia se libere, apenas como observador, da mesma forma que o vapor se esvanece da água fervente de maneira livre e desobstruída. Aceitação e reconhecimento. Esse é o segredo! Relaxe a tendência a julgar, a suprimir ou a reagir a essa emoção (raiva por exemplo) e permita que ela seja o que é, aceitando-a com sabedoria.

Esse processo chama-se transmutação das emoções negativas. A energia necessária para animar e reprimir os elementos da sombra e para mantê-los fora da consciência é a mesma energia que usaríamos para desenvolver o estágio seguinte do nosso potencial, e que não está disponível, pois estamos usando essa energia para alimentarmos a emoção negativa. Identificar uma emoção autêntica e transmutá-la em uma outra forma de energia é uma prática importante. A raiva pode ser transmutada em clareza e inteligência. O orgulho pode liberar a energia da equanimidade. A ira libera energia para superar obstáculos. Dessa forma vamos transcendendo e incluindo os aspectos reprimidos em nosso inconsciente. É lá no inconsciente que devemos fazer uma visita diariamente e em todos os momentos da vida.

Há uma lenda que ilustra o que esta sendo dito. Uma pessoa, embaixo de um poste de luz, procurava as chaves que havia perdido. Um amigo se aproxima e coloca-se a ajudar. Depois de algum tempo sem sucesso, o amigo resolve perguntar em que local ele havia perdido as chaves e a resposta foi: – em casa. Mas, então, porque procura aqui fora, perguntou o amigo. Porque aqui, sob o poste de luz, é o lugar mais iluminado para procurar, respondeu a pessoa. Isso realmente ilustra o porque devemos procurar nossas motivações em nosso inconsciente pois é lá que se encontram os aspectos reprimidos, rejeitados e negados do nível consciente do ser. Sob a “luz” do nosso consciente não encontraremos as motivações para a transformação e, sim, no ambiente sombrio do inconsciente. O fato de eles estarem localizados no inconsciente não significa que sejam inócuos, muito pelo contrário, eles moldam o nosso comportamento!

Abraços fraternos e vamos em busca de nossas sombras, pois são as nossas reais motivações!!

Milton.